Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Segredo revelado

Segredo revelado

29.10.09

cartas de amor


segredo_revelado

Modernizam-se os tempos...Modificam-se hábitos...Perdem-se tradições...

Em tempos, que começam a parecer tempos pré-históricos, ainda havia o hábito de escrever cartas de amor. Hoje, em grande parte devido ao aparecimento de outros meios de comunicação, essa tradição deu lugar a novas maneiras de transmitir palavras de amor. SMS e e-mails são as novas cartas de amor. 

 ''Cartas de amor, quem as não tem ?'', dizia a música. Há muita gente que ainda pode responder que as tem, mas daqui por 30 anos, talvez nem tanto, duvido que hajam muitos a poderem gabar-se de algum dia terem escrito ou recebido uma carta de amor.

Uma carta de amor é mais do que o conjunto formado pela soma de várias palavras. Uma carta de amor , para quem consiga ver muito mais que as letras manuscritas num pedaço de papel, tem em si , as esperanças, medos, desejos,.. da pessoa que a escreveu.

Uma carta de amor é um pouco de quem a escreve, que ao dar um pouco de si, espera que haja um destinatário que a receba de coração aberto.

O Cupido, anjinho que flecha casais, fazendo com que se apaixonem, chega na pessoa do carteiro que transporta a carta de amor. Não tem asas, não é anjo e nem sequer tem flechas, mas tem u contributo muito importante para que hajam amores acalentados por palavras escritas nas cartas.

É preciso muito talento para meter em palavras, num papel, todas as sensações e sentimentos que nos vão no coração. Tudo aquilo que é fácil de sentir, parece complicar-se na hora de se explicar, numa lógica quase matemática, que 1+1= Amo-te.

Há quem se valha da sua grande capacidade de saber como chegar ao coração das outras pessoas, colmatando algum menor talento em escrever.

As cartas de amor,por muitos anos que se guardem nas gavetas...por muito cheiro a bafio que tenham... por muitos acordos ortográficos que tenha sofrido a língua em que foram escritas,  têm sempre uma mensagem actual, mesmo passados muitos anos.

São cartas...São ridiculas...Fernando Pessoa sabia o que escrevia , quando escreveu o seu poema ....

 

''Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)''


(Álvaro de Campos, 21/10/1935)

 

 

Ficam perpetuados no tempo, em cartas de amor,  sentimentos que não sucumbem e  não tiveram um fim. Ali, naquele papel, as palavras mantêm a mesma força e intensidade, ainda que no coração de quem as escreveu, aqueles sentimentos outrora descritos, já tenham desaparecido.

E quando o Amor sobrevive tanto ou mais tempo como as cartas, como deve ser engraçado que filhos, netos e bisnetos possam ler as cartas de amor que ajudaram a alicerçar a união dos seus pais, avós ou bisavós.

 O mais provável é que , como dizia Pessoa, lhes pareçam cartas ridiculas. Ao ler cartas a falar de um amor que não vivemos, é normal que pareçam ridiculas. Até as que são escritas por nós parecem ridiculas e sem conteúdo suficiente, em qualidade e quantidade, para dizer a alguém, alguém que nos é muito especial, o quanto se ama essa pessoa.

Já tive a chance de poder ter essa sensação de ridiculo. Coisas de adolescente sem telemóvel, mas com muita vontade de estabelecer ''ligação'' a alguém.

Será que essas cartas ainda hoje existem? Provavelmente já não, assim como o sentimento também já não existe.

Há tantas coisas que desaparecem ou que se perdem , que até nem é de estranhar muito que se assista ao desaparecer desse romântico hábito de se escreverem cartas de amor.

 

 

 

 

 

 

segredo revelado: Sem pretensões de fazer concorrência ao Fernando Pessoa, aqui fica um poema meu, sobre cartas de amor.

 

Mas que doce tormento,
Folhear, com mãos trémulas e coração palpitante,
Cartas que outrora falaram de um nobre sentimento.
Hoje, foi-se o sentimento,
Ficaram as cartas escritas à mão...
Mas que doce tormento...
Escrever...Ler...Mandar...Receber..
Cartas, simples cartas, que nos tocam no coração!

...

E se o amor acaba,

Dá vontade de rasgar as cartas,

Assim como se rasga o coração no peito.

Aquelas letras que, de tantas vezes lidas, parecem gastas,

Já não simbolizam o amor perfeito.

...

Mas se o amor cresce e assume proporções de gigante eterno...

As cartas de amor são um diário...São achas lançadas para a fogueira da paixão...

São papéis que não ardem nem no fogo do Inferno,

São papéis onde estão impressos pequenos pedaços de um coração.

...

São cartas de amor...

 

 

27.10.09

Elas são o sexo forte


segredo_revelado

Desde há muitos séculos atrás, talvez mesmo desde o inicio dos tempos, a mulher é considerada o sexo fraco e que tem mais desvantagens .

Desvantagens?!! Opá, eu até ando a pensar que ser mulher é um enorme e vasto mundo de vantagens negadas ao universo masculino.

Ora pensem lá comigo. May the force be with you, while we think!

Fisicamente, a mulher é mais frágil do que o homem.Esse é um facto que salta à vista e que pode ser considerada uma desvantagem, mas eu até consigo ver algo de bom nessa menor pujança física. Um homem, ser humano sempre atento, sensível e disposto a ajudar os menos fortes ( reparem que não disse ''ajudar os mais fracos''. É muita diplomacia!!) , não suporta ver uma mulher a mudar um pneu, carregar as compras ou fazer alguma actividade física mais exigente, por isso...Que faz ele? Voluntaria-se para lhe fazer essas tarefas tão pouco agradáveis.

( A quantidade de vezes que me fazia jeito ser mulher!!)

Ainda relacionado com a parte física, a mulher tem a suposta desvantagem de , a cada novo mês que chega, ter o período. Suposta desvantagem porque, apesar de , como é óbvio, desconhecer com propriedade de causa , como é ter o período, até vejo uma grande vantagem nesse  incómodo e inevitável ''tormento'' feminino. À TPM está associada uma ''ligeira'' ( onde escrevi ligeira, leia-se forte e intensa) dose de irritabilidade e má disposição.

Querem melhor desculpa para aqueles momentos, horas, dias e semanas de mau humor, em que agimos como se todos nos devessem e ninguém nos pagasse , do que poder dizer que '' Desculpa!! Estou com o período''???

(Até eu já me concebia ver a ter período várias vezes por mês.)

Numa sociedade onde o aspecto tem cada vez mais importância, ser uma mulher que concilia o trabalho com o papel de mãe e esposa , conseguindo ter sempre um aspecto impecável e atraente, é complicado andar sempre nos ''trinques''. É normal que no fim de um dia extenuante, uma mulher não tenha pachorra, e tempo, para certas actividades como maquilhar-se, fazer penteados inovadores ou, nalguns casos, depilarem-se, mesmo que hajam sinais evidentes dessa necessidade.

Se isso vos parece uma desvantagem, a mim não! Quem me dera a mim , e a milhões de homens por esses 5 continentes fora, que o sexo feminino não nos exigisse coisas do tipo : fazer a barba todos os dias, usar cremes na pele, cortar o cabelo desta ou daquela maneira, usar esta ou aquela roupa, e depilar peito, costas e sabe-se lá mais o quê, até ficar com uma pele suave e imberbe como a de um bebé. Irra!!!

( O facto de , por falta de tempo ou de vontade, uma mulher não se cuidar tanto como devia, não é uma desvantagem. É o sonho de qualquer homem!! Quem nos dera a nós, também não termos tempo, nem pressões femininas para nos cuidarmos mais, visto que vontade pouca temos.)

Para concluir, temos a questão da maternidade! Ah e tal, as mulheres é que têm que carregar , durante 9 meses , as crianças no ventre. Ah e tal, as mulheres é que têm as dores de parto! Ah e tal, as mulheres é que têm um papel mais importante nos primeiros tempos da vida do bebé! Então mas isso são desvantagens!! As mulheres, que tantas vezes acusam os homens de não se ligarem aos filhos, deviam era dar graças à oportunidade que têm de estabelecer laços fortes e duradoiros com os filhos, logo desde o ventre.

Se uma mulher carrega um filho durante 9 meses, algures há um homem que, durante pelo menos 9 meses, carregou centenas de artigos, no valor de centenas de euros, para a futura mamã e bebé!  Se uma mulher tem dores de parto, é o homem quem tem a dor de , se tiver bom gosto clubístico, não assistir a mais uma goleada do Benfica. Se a mulher é que tem que assumir um papel mais importante nos primeiros meses do bebé, é o homem o 1º a acordar quando o bebé chora. Muito aflito, como pai carinhoso e preocupado que é, chama a mulher , que dormia que nem uma pedra, ressonando como um tractor a funcionar, e lhe pede que vá calar a criança.

( Se a maternidade fosse uma desvantagem, digam-me lá porque é que o Sócrates incentiva ao aumento da natalidade, premiando com uma licença de maternidade?!! O 1º Ministro não se ia enganar a ponto de premiar uma desvantagem !! (Ai não que não ia!))

 Deixemos a parte física, beleza e anatomia biológica e passemos à parte social .

Ninguém estranha que uma mulher gaste quantias exorbitantes de dinheiro, em roupas, acessórios, cremes e afins. Se um homem ousa pensar em gastar uns euros numa noitada com os amigos, no bar de strip mais próximo, a beber umas bejecas, a comer tremoços e a fazer um teste visual muito interessante, cai o Carmo e a Trindade!

(Fazendo beicinho e batendo o pé ) Se elas podem gastar dinheiro, porque é que nós não podemos?

( Não deixa de ser estranho , mas, numa noitada com os amigos, quase que dá vontade de ser mulher , para poder gastar sem complexos e sem que , no momento de chegar a casa, alguém nos canse a paciência e massacre com o dinheiro que gastamos.)

Há quem seja da opinião que uma mulher, só pelo simples facto de ter nascido mulher, nunca será uma boa condutora. Mas que tremenda injustiça pensar uma coisa dessas!! Na verdade, há mulheres que são óptimas condutoras. Alguém tem conhecimento de algum acidente com um carrinho de bebé ou com o carrinho das compras, em que fosse uma mulher a conduzir?! Não, pois não?!

Há mulheres que de tão boas condutoras que são, conduzem homens ao altar, o que, dou a mão à palmatória, nem sempre é tarefa fácil.

( Antes que alguém se lembre de me massacrar o juízo, confesso já que até nem sou muito bom condutor de automóveis e prefiro a mota. Tenho amigos que até dizem que das poucas vezes que me viram com o carro, acharam que eu pareço uma mulher a conduzir. Suponho que tivessem dito aquilo como um elogio, apesar do ar de gozo e do riso incontido, pois as mulheres são bem mais cuidadosas que os homens.)

Para concluir esta epopeia pelas desvantagens, que eu até considero vantagens, de ser mulher, não podia deixar de falar de ciúmes, dores de cabeça e de ataques de choro.

As mulheres, vá-se lá saber porquê, são mais ciumentas que os homens e mesmo quando não têm o mínimo motivo para sentir ciúmes, fazem autênticas cenas dramáticas. Acho que nós homens andamos a perceber mal estes ciúmes excessivos, encarando-os como uma coisa desvantajosa e despropositada. Eu sei.. É tramado ser acusado injustamente de traição ou tentativa de traição, mesmo que nada o justifique, mas o ciúme tem algo de bom. O ciúme demonstra que há amor, além de que, o ciúme é uma óptima cura para as constantes dores de cabeça das mulheres.

Se o homem tem vontade de praticar o ''amorzzzz'' ,em 75% (mais!! muito mais!!) das vezes, à mulher  dói-lhe a cabeça. Se uma mulher quer fazer uma cena de ciúmes, nunca lhe dói a cabeça, mesmo quando começa a berrar , enquanto lança falsas e infundadas acusações. Nesses momentos, é o homem que , só para não a ouvir mais,  se começa a queixar de dores de cabeça e sai dali o mais depressa que pode.

A bem da saúde de homens e mulheres deste planeta, da taxa de natalidade e de uma vida sexual mais activa, que hajam muitos ciúmes e poucas dores de cabeça.

( Se é homem e tem uma mulher ciumenta, não desespere. Dê-se por contente!! Se é habitual que lhe doa a si a cabeça, por causa das cenas de ciúme dela, dê a volta por cima ( Não sejam perversos. A frase não tem conotações sexuais) e use a seu favor o facto de a ela, de cada vez que lhe faz cenas de ciúmes, não lhe doer a cabeça. Vai ver que logo num ápice também você esquece a sua dor de cabeça.)

Ataques de choro! Ora aí está algo muito associado às mulheres e visto como um incómodo. Incómodo? Qual quê!! Não sejam parvos!!

Uma mulher que chora é uma mulher que dá sinais de não ser uma mulher fria e robótica. Há quem se queixe de ter de conviver com mulheres que parecem autómatos, mas esses não devem ter um convívio com mulheres que são sensíveis e choram, pois essas são muito sentimentais.

Se  recordarmos a sabedoria popular, sempre tão cheia de pérolas de sabedoria, percebemos que uma mulher que chora muito, faz pouco xixi ( ''Quanto mais choras, menos mijas.''), e isso é óptimo!! Fazer menos xixi , implica menos idas ao wc, o que tem grandes vantagens:

-  Em viagem, evita-se ter de parar a cada 7 km  , para ela fazer xixi

- À noite, já deitados, evita-se que, umas 2 vezes por noite, ela se levante para ir ao wc , e acabe por nos despertar

- Em grupo com amigas, evita-se que ela vá incluída no grupo excursionista que adora ir ao wc em conjunto. Evitando isso, evita-se que partilhe pormenores sobre o desempenho sexual do companheiro, que fale sobre os gajos bons lá do sitio, e, muito importante, que descubra que afinal tinha mesmo motivos para ter ciúmes e que o marido anda mesmo ''enrolado'' com a melhor amiga dela

...

Só vantagens!!! Até acho que deviam inventar o dia internacional do ataque de choro.

( Quem nos dera a nós , homens, ter a capacidade de choro que uma mulher tem. Saber chorar convincentemente,aliado a fazer beicinho e ter ar de cachorrinho abandonado , é mais de meio caminho andado para evitar muitas zangas e obter alguns presentes. Buáaaaaa..)

Espero que depois de lerem este post (quase tão chato e longo como o Novo Testamento, mas sem pretender ser um manual de vícios e de maus costumes) consigam perceber que a mulher não é, nunca foi e nunca será o sexo fraco! A grande maioria das coisas que os homens acham ser desvantagens e fraquezas, na realidade, são as vantagens e os pontos fortes que fazem com que elas nos dominem, deixando-nos acreditar que somos nós o sexo forte.

São tão espertas!!!

 

 

 

 

 

segredo revelado: Não se pode viver com elas, mas também não se consegue viver sem elas!

Algo me diz que o post de hoje possa ser considerado um pouquinho machista, mas não é! Feministas , acalmem-se. Guardem o alcatrão e as penas, atirem as pedras para o chão , e guardem esse grande tesourão ( Uma mulher com uma tesoura na mão, assusta-me. Penso sempre que me quer cortar os co....larinhos ! ), que eu até nem sou mau rapazinho, apesar de ter mais espermatozóides que neurónios.

Eu poderia dizer mil e uma coisas boas e elogiosas acerca das mulheres, mas como de momento não me ocorre nenhuma ( E já há 45 minutos que estou a tentar lembrar-me de alguma coisa), deixo-vos com estas bonitas frases, que descrevem o sentimento dos homens para com as mulheres:

 

Uma mãe leva 20 anos para fazer de seu filho um homem, e outra mulher faz dele um tolo em 20 minutos. (Robert Frost)   

 

Encanto é o brilho interior de uma mulher que projeta sobre os outros uma luz que os ilumina. (Autor Desconhecido       

 

Tudo nas mulheres é coração: até a cabeça! (Paul Richter)     

 

Quem educa um homem educa um indivíduo. Quem educa uma mulher educa uma família. (Charles Mclver) 

 

Não resisto...       

 

Mulheres existem para serem amadas, não para serem entendidas.
Vinícius de Moraes

 

Há imensas frases  e pensamentos elogiosos sobre a Mulher, mas por muito elogiosas que sejam, ficam sempre longe de fazer justiça a todos os méritos e qualidades da Mulher. (by segredo revelado)

 Dizem  que a mulher é o sexo fraco... Perdoa-lhes Senhor, pois não sabem o que dizem.

 

25.10.09

diz-me o que vestes, dir-te-ei quem és


segredo_revelado

As novas gerações são mais liberais e com mentalidade mais aberta.

Conforme a educação que lhes é dada e o ambiente onde estão inseridos, os jovens podem ser mais, ou menos liberais.

Hoje em dia, a juventude, talvez por ter acesso a mais e mais rápida informação que as gerações que a antecederam, encara as coisas que fogem das regras socialmente e moralmente impostas pela sociedade com um maior à vontade e mentalidade aberta.

Há menos preconceitos acerca da sexualidade, do consumo de drogas, de penteados extravagantes , mas, por estranho que possa parecer, há um novo tipo de discriminação.

Se algum adolescente, seja por gosto ou por falta de dinheiro, não usar roupa e calçado de marcas da moda, arrisca-se a ser discriminado pelos colegas.

Usar a marca X, Y ou Z , pode fazer a diferença entre ser ''fixe'' e conseguir integrar-se facilmente num grupo, ou ser ''cromo'' e ter maiores dificuldades de integração .

É com uma certa dificuldade que tento perceber a importância que as marcas assumiram na vida dos jovens. Jovens e não só!! Há adultos que também acham que usar boas marcas é sinónimo de classe e de estatuto.

Caímos no exagero de fazer compras do produto X, por ser mais afamado do que o produto Y, mesmo que seja igual e mais caro.

As marcas apoderaram-se das pessoas e são vistas como um sinal visível de bom gosto e de classe, em vez de se limitarem a ser o nome de um fabricante de um determinado artigo.

Agora até há quem use as calças descaídas, para, com grande estilo, mostrar a marca dos boxers que usa.

Ai como estou a ficar careta!!! Não me choca que outros usem a roupa dessa maneira, mas eu não me revejo nesse estilo.

À medida que as gerações mais novas ficam mais liberais e ousadas, sinto-me eu a ficar cada vez mais conservador. Apesar de nunca ter sido um rebelde, há anos atrás, a minha ousadia e atitude, quer no pensar, quer no vestir, eram, aos olhos das gerações anteriores à minha, consideradas muito liberais. Hoje, comparando com certas coisas que vejo, sou um ultra conservador .

Mudam-se os tempos...

 

 

 

segredo revelado: Uma pessoa deve definir-se e impor-se, agradando ou não à maioria das pessoas, de acordo com os seus gostos pessoais. Até aí, concordo!

Aquilo com que não concordo, é que, por causa das ditaduras da moda e do imitar de ídolos e de tendências, as pessoas adoptem um estilo que vai contra o seu próprio gosto pessoal, ou que, por não assumirem um estilo que está mais in, sejam discriminadas.

Hoje em dia assiste-se muito a fenómenos de imitação e de verdadeira histeria colectiva no que toca ao uso de certas marcas afamadas, só porque o fulano F, que até é famoso, usa essas mesmas marcas.

Pena que, nalguns casos , hajam indivíduos que ''discriminem'' outros, pelo simples facto de que não se enquadram nos seus padrões de pessoa fashion.

Parece quase que se vive na era do '' diz-me o que vestes, dir-te-ei quem és''.

 

 

 

 

22.10.09

Chuva


segredo_revelado

 

 

Deitado na cama...

Aninhado entre lençóis quentes, que me abraçam,

Ouço a chuva cair...

Enquanto o sono já me chama

As gotas de chuva batem na janela até que se desfaçam...

Caindo...Embalam-me até eu dormir.

 

Gosto de ficar assim...

Absorvendo cada pingo, como se fosse um beijo molhado.

No meio de um dilúvio sem fim

Sinto-me calmo...protegido...relaxado.

 

É uma chuva dissolvente de más vibrações...

Desfaz tensões acumuladas...

Faz-me ficar estranhamente contente,

Com um vigor redobrado para enfrentar novas madrugadas.

 

Aqui, entre lençóis que me acariciam a pele branca

Não há frio; não há roupa molhada; não há cabelo a pingar.

Aqui...só há calor e segurança,

Pelo menos, até o amanhecer chegar.

 

Gosto do som da chuva...Do barulho do vento Norte

Fecho os olhos e...deixo-me serenar

Recebo em mim a energia desta chuvada forte

Mentalmente, sinto o cheiro a terra acabada de molhar.

 

Algures noutro lugar, dormes serena

Talvez ignorando a chuva que cai lá fora.

Sossega!! A chuva não te condena

Ela sabe que tu e ela se encontrarão ao nascer da aurora.

 

Aqui, entre lençóis que se estendem pela cama

Sinto os olhos a ficarem pesados

É o sono que me chama

Para, em sonhos, dormirmos abraçados.

 

Como se fossem umas gotas de chuva

As pálpebras deslizam suavemente

Macias como a pele de uma uva

Fecham-se até o despertar as abrir novamente.

 

É hora de dormir...

Amanhã, logo ao acordar...

Talvez a chuva ainda continue a cair.

 

 

 

 

 

 

 

 

segredo revelado: A chuva, apesar de ser mal amada por muita gente, é algo que é indispensável. Todos nós conhecemos alguns dos inconvenientes que nos traz a chuva, mas nem esses inconvenientes são motivos suficientes para desejar apenas dias solarengos e quentes.

Se gosto de usar chapéu de chuva? NÃO!!!

Se gosto de ir a caminhar e sentir o calçado ensopado a ponto de, a cada passo, fazer um som ( xuaac xuaaaac xuaaacc) ? NÃO!!

Se gosto de trabalhar à chuva  e ficar molhado que nem um pintaínho? NÃO!!

Se gosto de lama e ficar encharcado com a água que salta das poças quando os carros passam? Adivinhem a resposta.NÃO!!

Apesar de todos os inconvenientes da chuva, gosto de chuva!

Gosto daqueles dias de chuva, em que a única coisa que se pode fazer é ficar em casa, entre lençóis, no sofá ou junto à lareira.

Gosto da cadência sonora da queda da chuva.

Gosto do cheirinho a terra molhada, logo depois de uma chuvada.

Gosto de quando chove e faz sol, dando lugar ao aparecimento do arco-íris.

Gosto de quando caem os primeiros pingos de chuva miudinha, que contrastam o seu frio com o calor da pele.

Gosto!

20.10.09

vai um som?


segredo_revelado

 

Terça-feira, dia de futsal e de espairecer umas horitas.

Como o tempo é pouco e a vontade de escrever não é muita, hoje dou música a quem queira ouvir.

 Estas são as minhas duas mais recentes aquisições de músicas que ouço com muito gosto.

Espero que gostem.

 

 

 

 

 

 

 

 

18.10.09

milagre


segredo_revelado

 

 Numa época em que cada vez mais é difícil acreditar em milagres dos tempos modernos, ainda há acontecimentos que me fazem acreditar em milagres e intervenções divinas.

Na Bíblia, há relatos de milagres que falam de multiplicação de pães,caminhar sobre a água, cura de enfermidades incuráveis, transformação de água em vinho, mares que se dividem em 2 e dão passagem segura e seca aos homens, etc., mas de tão antigos e discutíveis que podem ser esses factos, há muita gente que duvida deles.

A nossa racionalidade, a exemplo de São Tomé, faz com que tenhamos que ver para crer. Um milagre pressupõe a existência de intervenção divina, o que não facilita que se creia, pois as divindades não se vêem.  Seja como for, apesar da nossa racionalidade exigir que tudo tenha uma explicação lógica e cientifica, há acontecimentos que são impossíveis de compreender à luz das leis da razão.

Entramos no campo da fé e da crença, tornando mais fácil acreditar mesmo naquilo que não se vê e não se consegue explicar. Então é mais fácil acreditar em milagres.

Um óptimo exemplo de um caso a que se pode chamar de milagre actual , é aquilo que aconteceu a um bebé cujo carrinho caiu em plena linha férrea, sem que nada de mal lhe tenha acontecido.

Quem ainda não viu as imagens, veja-as aqui.

 

 

Ao vermos estas imagens, pensamos logo num desfecho fatal, mas, contrariando a lei das probabilidades, o bebé saiu ileso.

Se isto não é uma perfeita definição de milagre, então deve ser algo muito parecido.

Já diz o povo que ao menino e ao borracho , mete Deus a mão por baixo. Neste caso em particular, não houve mão, divina ou humana, capaz de evitar o deslizar do carrinho , onde o bebé estava, para a linha do comboio, segundos antes deste chegar, mas houve algo que evitou um acontecimento trágico.

Sorte, Destino...Milagre?? Cada qual, de acordo com a sua fé , escolherá uma daquelas palavras para tentar justificar o facto de, no meio de tantas hipóteses de o bebé ser trucidado , a criança ter sobrevivido.

Depois de se ver um caso assim, é natural que, por muito que a nossa fé esteja abalada, tenhamos de pensar que existe uma entidade superior a todos nós, comuns mortais.

Não chego a ponto de lhe dar um nome, pois, consoante a religião que se pratique, aprende-se um nome diferente para chamar a essa entidade.

Também não chego a ponto de dizer que essa entidade divina nos guarda e protege a todos, a cada segundo da nossa vida, evitando que algo de mau nos aconteça. Basta  ver os noticiários e olhar à minha volta , para perceber que há coisas más a acontecerem a muita gente.

Ainda assim, no meio de tanta incertezas, injustiças, crueldades, doenças e azares que se multiplicam por esse Mundo fora,  há alguns pequenos milagres que ajudam a fazer crer que há um encenador invisível que dirige esta peça à qual chamamos vida.

Como acontece em qualquer peça teatral, há personagens que estão destinadas a terem um final mais feliz do que outras.

Este bebé, nesta sua peça/vida de tão curta duração, foi a personagem principal deste milagre dos tempos modernos.

 

 

 

 

 

segredo revelado: Um milagre é quando acontece algo que a ciência e a lógica não explicam. O milagre é algo que transcende a imperfeição humana, sendo algo em que se torna difícil de crer, sem questionar .

A lógica diz-nos que se alguém cai à linha férrea e de seguida o comboio passa , que essa pessoa morre ou fica gravemente ferida.

Não foi o que aconteceu com este bebé, por isso, percebe-se que se considere um milagre.

Quase que me sinto tentado a dizer que se o bebé não morreu desta vez, só vai morrer de morte natural, já com mais de 100 anos.

Até que chegue o dia da sua morte, que viva e desfrute do milagre da vida!

 

 

"Existem apenas dois modos de viver a vida: um é como se nada fosse milagre; o outro é como se tudo fosse um milagre. Eu acredito no último."
( Albert Einstein )

 

 

"Toda pessoa espera por um milagre - de sua mente, de seu corpo, de outras pessoas ou, simplesmente, dos acontecimentos. "
( Paul Valéry )

 

 

"O milagre é que não existam constantemente milagres. "
( Jules Henri Poincaré )

14.10.09

Maitê, eu quero gozar com ''uoçê''


segredo_revelado

 

Uma das noticias da actualidade, é o vídeo da actriz brasileira Maitê Proença, a gozar com o povo ''portuga''.

Ao que parece, e pelos excertos que vi do vídeo, a actriz satirizou o povo português , de uma maneira não muito elogiosa.

Ao contrário da maioria das reacções negativas ao vídeo, não me senti atingido na minha dignidade ou inteligência como cidadão português.

Numa sátira, se era realmente esse o objectivo do vídeo, é normal que se peguem em coisas menos positivas e as exagerem e distorçam..

Quantos dos nossos humoristas, portugueses de coração e alma, não fizeram já vídeos ou textos em que gozavam com os nossos próprios defeitos como povo, ou com defeitos de alguns portugueses em particular

Se pensarmos bem, somos nós próprios a contar anedotas de alentejanos, cidadãos portugueses como qualquer um de nós, satirizando-os, que começamos a criticar e gozar com uma parte da nossa população. As anedotas de alentejanos fazem passar uma ideia, errada!!, de que eles são lentos, preguiçosos e estúpidos, o que não corresponde à verdade. Apesar de todos sabermos isso, continuamos a contar, a ouvir e a rir com as anedotas sobre eles.

Um outro hábito muito nacional, é fazer troça dos sotaques característicos de algumas regiões portuguesas. Ora, se somos todos portugueses, mas, obviamente, não somos todos iguais e temos características que nos distinguem, porque fazemos troça do sotaque açoriano, madeirense, nortenho ou algarvio?! E ao fazermos troça do sotaque dos habitantes de uma parte do país, será que achamos que são inferiores a nós? Penso que não! É, pura e simplesmente, brincadeira, sem pretensões de ser um atestado de estupidez ou de menos valia desses cidadãos.

Nós, que agora nos sentimos tão indignados por uma brasileira gozar connosco, somos muitas vezes os nossos maiores críticos e gozadores.

E no que toca a gozar com outras nacionalidades ou etnias, também não somos nenhuns anjinhos. Gozamos com brasileiros, africanos, ciganos, marroquinos, chineses,...

Por falar em gozar... Portugal e Brasil partilham a mesma língua,. Em ambos países se fala a língua portuguesa, apesar de no Brasil haverem palavras que têm significado diferente do que lhes é dado aqui em Portugal.

Em Portugal, vadiar é andar sem rumo, enquanto que no Brasil , vadiar é andar na má vida.; veado e pinto, em Portugal, são nomes de animais, enquanto que no Brasil, veado é gay e pinto é pénis; Xana, diminutivo de Alexandra, no Brasil , é uma ''pombinha''( a X....uca é que disse!!), também conhecida por vagina. Eu, que até já tive em minha posse um casal de pombinhas, desconhecia que elas se chamavam Xana. Sou tão ignorante!!

Será que , por mero acaso, alguém sabe o significado de ''gozar'' (,) no português do Brasil? Gozar, cá no nosso Portugal, é fazer troça, ironizar...,mas para os nossos ''irmãos'' lá do outro lado do Atlântico, gozar é.... Como dizer isto?!!! Crianças, pessoas com problemas cardíacos, pessoas sensiveis, pessoas com problemas de ejaculação precoce e de disfunção eréctil, não leiam!! Gozar, é o momento de prazer que ocorre aquando da ejaculação.

Repararam como gozei com pessoas com problemas de saúde, inclusvé problemas sexuais? Espero que ninguém leve a mal a minha gozação com esse tipo de assuntos.Desculpem! Foi um gozo com carinho e amizade!!

No que depende de mim,e no que diz respeito a brasileiras que fazem vídeos a gozar connosco, tá-se bem! Aliás...Até podem gozar comigo em particular. Melhor ainda se alguma quiser gozar comigo, dando à palavra gozar  o significado que ela tem no Brasil. Isso é que era de valor. E, durante o gozo, podia fazer um vídeo também,para mais tarde exibir na TV  Globo ou na TV Record. A fama deste fraco exemplar de macho português ia correr fronteiras. Assim, em vez de gozarem comigo só em Portugal , também iam poder gozar ( fazer troça) de mim no Brasil. Acho que foi assim que o Frota começou.

Enfim... Com tanta coisa realmente importante para a comunicação social destacar e para o povo se indignar, lembraram-se deste assunto de treta. É um bom tema para debater, enquanto se toma um café (brasileiro).

É o país que temos. É o povo que temos!

 

 

 

 

 

 

segredo revelado: Uma frase simples, mas que diz tanto sobre este assunto ...

''Rir -se dos próprios defeitos e de quem os acha em nós.''

O grande problema é que raras vezes fazemos isto, por estarmos tão preocupados em achar defeitos nos outros, para rirmos deles.

O nosso sentido de humor costuma esgotar-se no momento em que temos de rir de nós próprios, mas provém de uma fonte inesgotável , quando rimos dos outros.

As coisas têm a importância que lhes queiramos dar. Se quisermos achar muito grave e de mau gosto, que uma brasileira nos ridicularize, indignamo-nos e exigimos respeito;  se optarmos por encarar coisas ligeiras e feitas com o objectivo de brincar, como simpes brincadeiras, conseguimos rir e estar bem dispostos, ainda que essa brincadeira nos faça cair no ridiculo.

Eu , no que diz respeito ao video, escolho a 2ª opção. Há tanta coisa, muito mais importante, com que me posso indignar, que nem me preocupo em valorizar aquele video.

 

13.10.09

mais um aninho


segredo_revelado

Hoje é um dia especial e de celebração para o meu núcleo familiar mais próximo.  13 de Outubro, além de ser um importante dia de peregrinação religiosa, é, mais importante ainda, o dia de aniversário da minha sobrinha.

Foi neste dia, um dia considerado especial para todos os devotos e crentes nas aparições da Cova da Iria, que resolveu ''aparecer'' a S.. 

Era uma bebé rechonchuda, com muito cabelo, olhos castanhos e com um ar , à falta de encontrar melhor palavra, fofinho. Escusado será dizer que, como é normal acontecer, para os pais era a bebé mais linda do mundo.

Eu, ao contrário daquilo que ouço dizer acerca dos bebés, dos recém-nascidos, não sou capaz de os achar bonitos. Na verdade, até acho que são bem feiinhos e parecem não se parecer com nada, nem com ninguém.

Felizmente, decorridos uns dias de vida, e à medida que as feições se vão formando, começam a ter um ar mais ''apresentável'' . É nessa fase que consigo aperceber-me de algumas parecenças mais óbvias com um dos pais, porque até aí, como já disse, não os acho parecidos  com nada, nem com ninguém.

O nascimento de um novo membro da família é sempre motivo de alegria. Alegram-se os pais, que com o nascimento da S. ficavam a ter um casalinho. Alegram-se os avós, que, como diz o povo, no momento em que são avós, são pais pela segunda vez.. Alegrou-se o J., na altura com 10 anos, por ter uma maninha. Alegrou-se o tio!

Um motivo extra de alegria, em especial para a minha mãe, era que o nascimento desta neta, quase que simbolizava o recuperar da filha que lhe tinha morrido com poucos meses de vida. O nascimento de um neto, ainda que não nunca tenha havido a perda de uma filha, é sempre um momento que mexe com emoções, mas neste caso foi duplamente marcante e especial o nascimento da S. Era a menina dos olhos e do coração da minha mãe!

Pena que não tenha assistido a mais aniversários dela!

Um dos primeiros dilemas aquando do nascimento da S. , foi escolher o nome. Aquela que hoje se chama S., quase que esteve para se chamar Filipa ou Mónica. No fim de algum debate, os pais optaram por S.. Foi uma boa escolha.

O meu contacto e convivência com a S. foi diferente daquilo que tinha sido com o irmão dela. Dou-me super bem com ambos e adoro igualmente os dois, mas, talvez resultado de uma maior idade e maturidade, tive oportunidade de ter algumas experiências diferentes e inesquecíveis com a S..

Uma dessas experiências, que ao inicio se estranha, mas depois se entranha, foi o facto de lhe ter mudado a fralda algumas vezes, coisa que, tanto quanto me lembro, nunca fiz ao meu sobrinho. Mudar a fralda a um bebé é algo que transforma a vida de um homem. Não sei porquê, mas acho que o olfacto masculino não está preparado para o intenso pivete libertado por uma fralda suja. Aquilo que para uma mulher, mesmo que não seja a mãe, é encarado sem náuseas e sem ficar a pegar na fralda com as pontinhas dos dedos, para um homem é o equivalente a lidar com lixo tóxico.

Dito isto, sinto-me mais à vontade para confessar a minha aversão a fraldas com cocó. Chichi tudo bem, mas cocó, só com máscara e com o auxilio de uma mulher. Se eu ia mudar a fralda e chamava por ajuda feminina, já todos sabiam que a S. tinha um  ''presente'' mal cheiroso na fralda.

Outra das experiências que contribuíram para que já tenha um míni curso de ama-seca e que me fez aprender uns truques que no futuro me podem vir a ser úteis, foi ter dado algumas refeições à S.. Se alguém pensa que conhece uma pessoa casmurra, então que pense 2 vezes , até tentar dar comida a um bebé. Como é que seres tão frágeis, dóceis, com ar amoroso e inocente, conseguem ter tão mau feitio quando não querem comer?!

Das vezes que via a minha mãe ou cunhada dar-lhe a papa, nunca me pareceu algo muito difícil de fazer, por isso achei que era uma tarefa que eu desempenharia bem. Grande erro!!

Na maioria das vezes, a pirralha até comia bem e devorava o que lhe metiam à frente (incluindo uma vez que tentou comer um brinquedo), mas noutras vezes, dando claros sinais de temperamento feminino e mau feitio, recusava-se a comer. É um bocado embaraçoso admitir isto, mas nessas ''lutas'' para a fazer comer, fui obrigado a fazer figuras bem ridículas. ''Vai um aviãozinhoooooo.....abre a boquinha...'' e outros truques ''manhosos'' , eram uma ajuda a levar o barco a bom porto, mas algumas vezes isso não acontecia e tinha que me dar por derrotado por um bebé que ainda nem comer sozinho sabia. Eu sei..Eu sei!! É triste.

No momento em que começaram a surgir as primeiras palavras, começámo-nos a aperceber de que ela, no seu ''bebézês'', trocava muitas vezes os ''g'' por ''d'', o que deu origem a algumas situações bem cómicas.  Dizer ''dato'' em vez de gato, nem é muito grave, apesar de ter um certa piada. Mais grave, aos olhos e ouvidos de outras pessoas que desconhecessem a  inocente troca de letras, foi, quando na casa do meu tio/padrinho, ela veio a correr para dizer que a neta do meu padrinho estava a mexer no fogão. Foi uma risada geral, pois, mais uma vez, ela trocou o ''g'' pelo ''d''. Fo*ão!

Ela, como quase todas as crianças, é destemida e aventureira.Uma das coisas em que ela perde a sua pose destemida e aventureira , é no contacto com cães. Ao contrário de mim, que adoro cães, ela tem medo deles, apesar de desde bebé ter convivido de perto com eles.  Se estão presos, tudo bem. Se estão soltos, é vê-la a fugir deles.

No ano passado, entrou para a pré-escola e, contrariando alguns receios dos pais, sentiu-se como peixe na água. Não houveram birras, choros ou más integrações na rotina diária da vida de ''estudante''. Ela adora aquilo.

Ontem, depois de vir da escola, fez questão de perguntar aos pais e ao irmão, se sabiam quem hoje fazia anos, e não lhes deu descanso até ter uma resposta. Depois, em passo de corrida, veio a minha casa e fez o mesmo comigo e com o meu pai. Eu, só para a picar, disse que sabia quem fazia anos. Pergunta ela : ''Quem ?'', ao que eu respondo que era o Bigodes ( o gato). Depois de soltar uma valente gargalhada e de me chamar totó, diz ela com um ar muito indignado por eu não saber a resposta certa: ''Sou euuuuuuuuuuu!!''.

É mesmo ela!! Parece que ainda ontem nasceu e já faz hoje 5 aninhos.Estou a ficar velho.

Está grande! Esperta como tudo, de resposta sempre pronta. Vai soar a frase de tio babado, mas é a verdade... Está linda!

Penso que nestes curtos anos da sua existência, tem sido acarinhada, estimulada afectivamente e mentalmente, e tem sido feliz, por isso, num dia especial como o de hoje, aquilo que de melhor me ocorre para lhe desejar, é que consiga manter essa existência feliz por muitos e muitos anos da sua vida.

Parabéns, S.!!

 

 

 

 

segredo revelado: Acho que não vou revelar grande segredo, mas vou dizer na mesma. Adoro os meus sobrinhos!

 

 

 

 

12.10.09

era tecnológica


segredo_revelado

O tempo em que as relações interpessoais se resumiam a encontros presenciais, ou, fruto de modernidades da época, a cartas trocadas ou a telefonemas feitos e recebidos nos velhotes telefones de disco, é coisa pré-histórica.

Hoje, vive-se a era tecnológica. Vivemos rodeados de geringonças electrónicas que, ainda há não muitos anos, parecem ter saído de um filme de ficção cientifica.

Há uma vintena de anos atrás, quem seria o louco a ousar pensar poder transportar no bolso um telefone que, além de não ter fios, dava também para mandar mensagens escritas, ouvir música, ir à internet, tirar fotos e fazer vídeos?! Poucos pensariam nessa hipótese, e se pensavam e admitiam em voz alta, o mais provável é que fossem olhados de lado e com ar de gozação.

Passados vinte anos, banalizou-se o uso de telemóveis, leitores de Mp3, GPS e de computadores. Qualquer criança, desde que já saiba atar os sapatos, sabe mexer nesses aparelhos tão característicos da era tecnológica.

Convém recordar que até o nosso estimado Zézito Sócrates teve como uma das promessas das legislativas de 2005, fazer uma revolução tecnológica. É graças a termos um 1º ministro revolucionário tecnológico, que há milhares de crianças que têm um Magalhães, milhares de alunos do secundário com portáteis da e-escola e milhares de formandos das Novas Oportunidades com o seu portátil xpto. Somando todos os pc's que foram ''dados'', já devem haver 2 computadores para cada português.

Ora... A proliferação de computadores, em conjunto com a facilidade de acesso à internet, tem vindo a fazer aparecer uma nova realidade social, onde se travam conhecimentos e se estabelecem relações de ''proximidade'' com pessoas de lugares distantes.

Começa a ser normal se alguém chama amigo ou namorado a alguém que está longe fisicamente, mas que está à distância de um clique, dando a ideia que está tão perto.

A tecnologia, que não deve ser encarada como um bicho de 7 cabeças, na sua essência de ser algo que ajuda e facilita o desempenho de certas actividades, é uma coisa boa.

Inclusivé no campo das relações entre pessoas, as novas tecnologias têm vantagens e contribuem para uma troca de conhecimentos e experiências de vida. Se é evidente que a tecnologia  aproxima desconhecidos, permitindo que do longe se faça perto, não será também evidente que a tecnologia afasta conhecidos?!

Graças às tecnologias, mais concretamente ao computador e à internet, fazem-se amizades, há intercâmbio de ideias e há a hipótese de espreitar no quintal do vizinho , sendo que o vizinho até pode morar a centenas ou a milhares de km de distância.

Mas, não há bela sem senão! Algum do tempo que é passado frente a um computador, dando atenção a pessoas ''virtuais'', embora de carne e osso ,não será tempo roubado ao convívio com as pessoas que estão fisicamente perto de nós?

Não é nada fora do vulgar que numa família dita normal e funcional, em cada divisão da casa esteja uma pessoa sozinha. Enquanto um vê TV, outro joga consola, outro está na internet  e um outro ouve música. Em muitos momentos do tempo passado em casa, local de convívio familiar, estão sós, aconchegados no ''calor '' e nas ''emoções'' provenientes de vários equipamentos tecnológicos.

É estranho que se consiga ter uma relação mais aberta com um conhecido virtual do que com um conhecido real. A distância, a possibilidade de criar personagens que representam o alter-ego de cada um, a não necessidade de olhar olhos nos olhos,... criam um maior à vontade em partilhar aquilo que vai na alma.

O ombro amigo, o confidente, o ídolo, que outrora era sempre de carne e osso, transformou-se numa figura que aparece através de um  monitor, de um teclado e da existência de internet.

Será que caminhamos para uma sociedade onde para comunicar com as pessoas mais próximas de nós vamos ter de mandar uma SMS ou um e-mail?

''João, vem tomar o pequeno-almoço. Eu , o mano e a avó já estamos à mesa''

Penso que todos concordamos que a tecnologia também serve para aproximar desconhecidos. Concordam que também contribui para afastar conhecidos e para esfriar as relações entre as pessoas próximas?

 

 

 

 

 

 

segredo revelado: Uma vez, num qualquer artigo de jornal, li um caso, no mínimo, bem demonstrativo do afastamento que se cria entre pessoas moradoras num mesmo espaço. Naquele caso em concreto, uma adolescente, calma, sossegada, ajuizada, fugiu de casa para ir ao encontro de um namorado virtual.

Os pais da jovem nunca se aperceberam de nada e nem estranhavam sequer que ela, logo que podia, se fosse enfiar no quarto, a teclar .

Diziam eles que tinham uma relação próxima com a filha e que não esperavam uma atitude daquelas.

Ao que parece, e por muito boa que fosse a relação da filha com os pais, a relação e confiança com um desconhecido que chegava pelo computador , era muito mais forte.

Coisas de adolescente, dirão alguns. Talvez!!

Coisas de era tecnológica , digo eu. Muito!!

11.10.09

''juntar os trapos''-casar de fato ou união de facto??


segredo_revelado

De acordo com um estudo recentemente publicado, cada vez há menos casamentos católicos, o que até nem me admira muito, tendo em conta a mudança de hábitos e de prioridades das pessoas.

Por algum motivo váido se associa o acto de casar a um enforcamento. Se pudessem fugir à forca não o fariam também? Pois!! Então nem é de admirar que também haja quem fuja do compromisso do casamento.

No que diz respeito às várias possibilidades de duas pessoas que se amam viverem uma vida em comum, ''juntar os trapos'' é uma das opções mais tomadas.

Seja para fazer uma espécie de ensaio geral de como é a convivência diária num espaço comum, ou seja por uma questão prática e económica, fugindo a formalismos e despesas, está-se a assistir a um aumento das uniões de facto.

 

Na teoria, moralmente, alguém que viva em união de facto deve ter os mesmos direitos e deveres de alguém que se casou e oficializou a sua união. Na prática não é bem assim, apesar das 2 pessoas fazerem uma vida como qualquer casal . 

Se o casamento pressupõe a existência de amor entre 2 pessoas, o contrário não tem de ser assim, e 2 pessoas que se amam não têm necessariamente que casar para demonstrar que se amam .Quantos de nós não conhecem casamentos católicos, daqueles em que houveram juras de amor até que a morte os separe, que acabam ao fim de 2 ou 3 anos? E quantos de nós não conhecem também casais que mantêm relações estáveis e duradouras, sem no entanto terem qualquer vinculo legal ou religioso que os una? 

Eu conheço exemplos de ambos os casos, o que me leva a reforçar a ideia de que não é um papel, umas alianças ou um assumir de amor e fidelidade, na saúde e na doença,até que a morte chegue, que trazem maiores garantias de felicidade e de durabilidade de uma relação.

Acho até que, em alguns casos, o casamento e a existência de uma espécie de contrato entre pessoas, contribui para esmorecer aquilo que mais importa.. O amor!

 

Numa altura em que há um maior medo de assumir compromissos de qualquer género, o casamento não foge à regra. Para algumas pessoas, por muito grande que seja o amor e a vontade de fazer vida em comum com outra pessoa, é ''assustador'' casar.

Casar implica o assumir de uma série de responsabilidades que nem todos estão dispostos a aceitar, abdicando de uma série de ''regalias'' que existem por não haverem compromissos oficializados.

Associa-se o casamento a uma perda de liberdade individual, o que até é capaz de acontecer, pois a partir do momento em que a pessoa deixa de viver só, perde algum livre arbitrio e faz concessões à pessoa com quem passa a viver. Bem vistas as coisas, não será esse um dos segredos de uma boa relação a dois

 A partilha um espaço comum, por parte de pessoas com  2 personalidades diferentes, com vontades, medos, necessidades e desejos que nem sempre coincidem, é um belo exercicio de tolerância e de avanços e recuos até chegar a um consenso que agrade a ambas as partes.

Se no meio desse frágil equilibrio, entre aquilo que se quer e aquilo que se faz para levar uma coexistência pacifica e sem tumultos com a pessoa amada, há quem se sinta prisioneiro do compromisso assumido, é lógico que, mais tarde ou mais cedo, vai querer soltar as grilhetas e libertar-se.

 

 

Chegámos a um ponto em que até as pessoas antiquadas se chocam mais com um divórcio, do que com um casal a viver em união de facto ou casado pelo civil.

Ao contrário do que acontecia há alguns anos atrás, hoje não há o estigma social de duas pessoas fazerem uma vida em comum, ainda que não sejam casadas.

A própria mentalidade das pessoas sofreu modificações e não se dá uma importância tão grande ao oficializar de relações.

Não tenho nada contra o casamento(por isso já casei umas 7 vezes .Brincadeirinha!!), mas acho que em muitas ocasiões as pessoas se casam devido a pressões exteriores ao casal e para fazer uma cerimónia pomposa em que se dá ares de novo riquismo,convidando centenas de pessoas, algumas delas quase desconhecidas.

O acto de casar perdeu um bocado a razão de ser.'A palavra casamento é derivada de "casa", enquanto que matrimónio tem origem no radical mater ("mãe")''. Casar é unir/conjugar/partilhar, e nada tem a ver com cerimónias religiosas, civis ou assinaturas de contratos. Casar é quando 2 pessoas que se amam resolvem viver juntas numa mesma casa, fazendo vida de casal .

Seja lá qual for o(s) motivo(s) que levam a que haja uma diminuição em cerca de 50% dos casamentos religiosos, acho que isso nem é o mais importante. O importante é que continuam a haver casais que se amam. Se são casados pela igreja, pelo civil , ou se vivem em união de facto nãoimporta. O que importa é que se amem, respeitem e sejam felizes por muitos anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

segredo revelado: Após uns dias de ausência (Não, não fui casar!) , eis-me de volta aqui ao meu estaminé, numa tentativa de forçar a vontade de escrever umas coisitas.

A vontade-inspiração tem andado arredada de mim, quase como se tivesse havido um divórcio entre nós, o que motivou estes dias em que deixei que teias de aranha se acumulassem no editor de texto aqui do blog.

Sobre o tema do post de hoje...

Casar ou deixar de casar , optando por viver em união de facto, é uma escolha muito pessoal. São vários os factores que podem fazer pender a decisão para um lado ou para o outro. A educação, a religião, a sociedade onde se está integrado,a falta de dinheiro etc... fazem com que alguém opte por uma das alternativas, sem que a escolha de qualquer uma delas signifique que há maior ou menor amor, ou maior ou menor vontade de levar uma vida a dois. 

Casa-se cada vez mais tarde e rareiam exemplos de casamentos que, à imitação do tempo dos nossos pais e avós, acontecem sempre com uma cerimónia religiosa, mas como já tive oportunidade de escrever, isso não importa desde que as pessoas vivam felizes em união de facto ou casadas pelo registo civil.

Para acabar, um conjunto de frases que demonstram as várias opiniões sobre o casamento:

 

''Casamento é a única aventura aberta aos covardes.'' (Voltaire)

 

''Sou contra os noivados muito prolongados. Dão tempo às pessoas se conhecerem melhor, o que não me parece aconselhável antes do casamento.'' (Oscar Wilde)  

 

''Casamento não é o paraíso nem o inferno; é apenas o purgatório.'' (Abraham Lincoln) 

 

''O casamento tem muito de um circo; não existe nele tudo quanto anunciado na propaganda.'' (Edgar Watson Howe)

 

''Casamento é um erro da juventude, que todos deveríamos cometer.'' (Don Herold)
 

''Casamento é realmente algo difícil; você tem que lidar com sentimentos e advogados.'' (Richard Pryor)